Viajando de carro com bebê

viajando de carro com bebe
Foram três dias, dois mil quilômetros rodados e cinco estados viajando de carro com bebê.
Saímos de Marabá, no Pará, onde passamos férias de fim de ano com a família, rumo a João Pessoa, na Paraíba, onde moramos agora.
Na ida eu fui de avião com Aimée e após três conexões e sete horas de viagem eu estava destruída. Meu braço esquerdo ficou dormente por ter de carregá-la por horas a fio, sem pausa nem revesamento. E para completar eu passei o pior perrengue da vida tentando acalmá-la no último voo, sem poder me movimentar direito no espaço exíguo das poltronas, amarrada naquele cinto que eu nunca tinha percebido como era apertado.
Mas viajar de carro também tem seus perrengues. Por um lado, é mais divertido e até mais confortável e se você não estiver com pressa dá para ir curtindo tudo: as paisagens, as paradas nos restaurantes locais e até alguns pontos turísticos. Por outro lado, são horas demais na estrada, o que acaba interferindo de alguma forma no fator conforto e diversão.
A verdade é que viajar com bebê é tenso, seja qual for o meio escolhido. Em alguns momentos a sensação é de segurar uma bomba relógio. A gente sabe quando a cria está perto de entrar no efeito vulcão e aí começa a temporada de alternativas para segurar a onda até que ela finalmente consiga pegar no sono, recuperar as energias e dar uma trégua na gente.
Mas, no final das contas, cumprimos a missão de voltar para casa de carro e curtimos a viagem. Temos fotos lindas e umas boas histórias. É aquele tipo de coisa que vale a pena lembrar e contar: nós vivemos isso. São nossos momentos mais preciosos e eu me orgulho disso.
Provavelmente não faremos outra tão longa assim com Aimée bebezinha, mas deixo aqui algumas dicas de como aproveitar esse tipo de jornada sem grandes tormentos.

Sabe quando a gente come de tédio? Descobrimos que comer é uma distração em viagens não só para nós, mas para os bebês também. Pelo menos para a minha bebê taurina (hahaha). Ela ama frutas e na hora do estresse oferecer uma era uma salvação! Aqui a dica é levar o que o bebê mais gosta de comer.

viajando de carro com bebe

COMENDO PÊSSEGO
 

Bebê precisa ficar no chão para gastar as energias. Quando fizemos essa viagem, Aimée estava aprendendo a engatinhar e queria ficar treinando o tempo todo. Por isso levamos o tapete emborrachado que usamos em casa e em cada parada mais longa ela podia ficar livre brincando.  Como era o que já tínhamos, foi o que usamos, mas um tapete que não precisa ser montado teria sido mais prático. Essa dica ótima eu tirei do blog Ideias na Mala [você pode ver o texto completo aqui].

viajando de carro com bebe

PILATEIRA
 

Bebê que está aprendendo a engatinhar, ficar em pé, andar, não quer passar horas preso numa cadeirinha. Vamos combinar que ali não tem muito espaço para se movimentar (é tipo o conjunto poltrona e cinto do avião), então convém ter coisas legais para distrair o bebê e fazê-lo esquecer de estar preso. Os brinquedos devem estar acessíveis em uma sacola ou bolsa. É legal levar os preferidos, aqueles que sempre encantam a criança, mas também algumas novidades, que vão deixá-la curiosa e entretida por um bom tempo, explorando o objeto.

viajando de carro com bebe

ELA PREFERE LIVROS E GARRAFAS DE ÁGUA MINERAL (HAHAHA)

As paradas devem ser bem estratégicas. Pare para esticar as pernas, comer e ir ao banheiro quando o bebê estiver entediado ou estressado, evite parar quando o bebê estiver tranquilo e brincando e coloque sebo nas canelas quando a criaturinha estiver dormindo, esse momento é precioso (até o carro corre melhor!). Aproveite para dar um banho no bebê em uma parada mais longa, ajuda a refrescar e acalmar.

viajando de carro com bebe

ACREDITE, ELA ADORA TOMAR BANHO
 
Vamos pagar um pouco a língua. Não pode dar tudo o que o bebê quer, né? Mas às vezes, quando estamos com o Vesúvio em plena erupção (hahaha), é preciso fazer algumas concessões. Sim, se for o caso, deixe o bebê brincar com o controle do som ou dormir mordendo a tela de proteção do sol .

viajando de carro com bebe

ELA FEZ ISSO

 

Sabe aquele mantra “vai passar”? Pois bem, tenha calma e mantenha o bom humor nas horas trash. Se você escolheu viajar de carro, saiba que elas vão acontecer todos os dias. Não se desespere achando que o estresse e o choro não vão passar nunca, porque eles vão. Bebês precisam se alimentar, brincar e dormir, portanto sempre confira se algum desses “itens” está em falta. Se for preciso parar, pare. Uma boa dica: música pode ajudar a acalmar, distrair e induzir o sono.

viajando de carro com bebe
LENDO LIVRO COM MUDANÇA DE ENTONAÇÃO E TUDO
 
Você decidiu fazer essa viagem por algum motivo, então relaxa e curte o máximo que puder. É um momento incrível para a família e é recompensador rever os melhores momentos nas fotografias, nos vídeos e relembrando histórias engraçadas (e até tensas), sabendo que tudo que a gente viveu, a gente só viveu porque estava ali!
viajando de carro com bebe
MINHA FOTO DE BLOGUEIRINHA
viajando de carro com bebe
EU, QUE DEVO SER A ÚNICA PESSOA DO MUNDO QUE NÃO GOSTA DE ÓCULOS ESCUROS COM SOL MUITO FORTE
sertao
AS PAISAGENS SÃO A MELHOR PARTE

doce beira seca

NA VERDADE, AS PAISAGENS SÓ PERDEM PARA AS COMIDAS TÍPICAS: BEIRA-SECA, UM DOCE IMPRESSIONANTE

sertao

ESTRADAS SÃO MINHA PAIXÃO <3

sertao

PAISAGENS NORDESTINAS

gado

“A TEMPESTADE, A MANADA E NÓS, NA CONTRAMÃO DE TUDO…”

 

Cabo Verde ou, carinhosamente, Brasilinho

Cabo Verde

Acostumada com as dimensões continentais do Brasil, foi surreal avistar, do alto, aquela curva de ilha que o mar parecia querer engolir. A silhueta de terra e o mar gigante… Pousamos em Cabo Verde, na Ilha de Santiago, recebidas com a aridez de montanhas nuas a perder de vista, o céu nublado sem chuva e o vento agradável às 6 horas da manhã. Saímos de táxi e a paisagem permaneceu a mesma durante um bom tempo. O asfalto muito preto, as linhas da pista muito brancas e as montanhas nuas e acinzentadas como se dissessem que tinham nascido de um esporro de vulcão.

Cabo Verde

Depois de viajar pela aridez da estrada, a cidade apareceu: Praia, amarela, com seus prédios baixos, quadrados, quase sempre amarelos como os táxis, mas algumas vezes de concreto cinza. O mercado de Sucupira, com o prato de comida de 200 escudos e uma garrafa de cerveja portuguesa, foi o primeiro destino. Quando perguntamos por almoço no mercado, nos mandaram procurar pela cozinha entre as barraquinhas debaixo do sol.

A “cozinha” é um conjunto de cubículos, com duas mesas no máximo cada um, em que se servem pratos prontos muito parecidos com a comida brasileira: arroz misturado com feijão, “bife” de atum, carne de vaca ou galinha, batata frita e salada. Ouvimos dizer que o arroz consumido lá vai da China e embora tenha o gosto parecido com o nosso e seja solto, é de uma consistência mais liguenta. O bife de atum é especial e a palavra-chave para receber um tempero extra é sabor.

Mercado de Sucupira Cabo Verde

No mercado há muitos senegaleses vendendo seus tecidos e confeccionando roupas sob medida – vestidos e saias com cortes simples, na maioria das vezes. Gastamos horas em barracas de roupas tradicionais, maravilhadas com o que mais há em Sucupira em todas as cores, estilos e texturas: desde a simplicidade das chitas em lindas estampas até a impressionante elegância do batik. Mas descobrimos muita mercadoria brasileira também: fileiras e mais fileiras de chinelos Havaianas, sapatos e roupas – muita malha e jeans – que as sacoleiras caboverdianas vão comprar nas feiras e fábricas do Nordeste.

Mercado de Sucupira Cabo Verde

A noite em Praia é muito agradável. A cidade tem restaurantes e bares bem charmosos. Um deles é o Quintal da Música, um lugar especial com excelente comida e música ao vivo. No repertório da noite em que fomos lá tinha música brasileira, mas gostoso mesmo é ouvir a sonoridade do criolo, língua que na prática é a oficial do país. Falando em música, vale a pena conhecer o som produzido em Cabo Verde. As mulheres arrasam com a batuqueira. Elas demonstram força e beleza incrível quando tocam, cantam e dançam. Deve estar certo o espanhol, dono de um restaurante onde almoçamos, que disse que “em Cabo Verde todo mundo é músico“.

Quintal da musica Cabo Verde

Saímos de Praia, no sul da Ilha de Santiago, e fomos para Rabelados, uma comunidade camponesa tradicional e religiosa, situada no município de Espinho Branco, norte da ilha. Levamos poucas horas para chegar lá e no caminho de ida fomos parando para conhecer alguns lugares. Estivemos na casa de Amílcar Cabral, ícone intelectual, político e dirigente da luta armada pela libertação de Cabo Verde e Guiné-Bissau da colonização portuguesa e visitamos o antigo campo de concentração do Tarrafal, onde vários guerrilheiros que lutavam pela independência foram presos e torturados.

Cabo Verde
A grandiosidade do Baobá no terreno da casa de Amílcar Cabral.

Os rabelados têm uma história muito interessante. Eles foram discriminados por tentar manter suas tradicionais culturais e religiosas, ainda no período em que o país era colônia de Portugal, e por isso se refugiaram em uma região de montanhas. Com isso, perpetuaram suas tradições, acabaram por adquirir um espírito de resistência e mantiveram sua essência, em boa parte por conta da arte que produzem. A experiência na comunidade foi propiciada pelo encontro da Universidade Popular dos Movimentos Sociais (UPMS). Quando chegamos, fomos recebidos pelas pessoas com a comida símbolo de Cabo Verde, a cachupa. Sinal de que fomos realmente acolhidos.

Comunidade de Rabelados

Além de Praia e Rabelados, fomos na Cidade Velha, antiga Ribeira Grande, fundada em 1462 e primeira cidade construída pelos portugueses nos trópicos. Algumas construções estão toda ou parcialmente debaixo da terra, há muitas ruínas e algumas escavações arqueológicas podem ser vistas no entorno da cidade. Tudo é tão pequeno – a praça, as ruas, as casas – que dá para fazer um tour bem legal em uma manhã. Mas como cidade não é só ponto turístico, é bom ficar pra andar pelos espaços fora do eixo, conhecer algumas pessoas e comer a comida local, como a cachupa, búzios guizados, lagosta ou filé de atum fresquinho.

Cabo Verde

A sensação de andar pela Cidade Velha é de andar pelo Brasil antigo… mas como eu saberia disso? Acho que é a impressão do imaginário do passado colonial criado pela história e pela literatura. Andando pelas ruas, eu me sentia como nas descrições que Aluísio Azevedo fez em O cortiço ou em Casa de Pensão.  Uma senhora que conhecemos em Praia nos disse que lá as pessoas costumam gostar muito do Brasil e é corrente a expressão de que Cabo Verde é um Brasilinho.  Acontece que tudo o que os portugueses fizeram aqui foi feito primeiro lá; Salvador, na Bahia, é como uma grande Cidade Velha. Cabo Verde era a parada das embarcações que saiam da Europa, passavam pela África e partiam para a América.

Cabo Verde
Cabo Verde me marcou profundamente. As pessoas de lá, que parecem ter no espírito a expressão da natureza que as rodeia, são simpáticas e bonitas ao mesmo tempo em que são fortes e orgulhosas, além de terem aquele sotaque que parece música. Nos dias em que estive lá,  fui interiorizando a paisagem cortante, o mar de azul muito escuro, as montanhas negras e áridas e os vales verdes e úmidos, uma natureza tão diversa e ao mesmo tempo tão resistente e bela. E mais uma vez, mais uma viagem me transformou.
Rabelados
Amanhecer em Rabelados
Fotografia: Alexandra Duarte e Evandro Medeiros